quarta-feira, 17 de março de 2010

HÁ 18 ANOS SURGIA O CANTOR EDSON CORDEIRO.



* Item de Colecionador*

O ano era 1992 na gravadora Columbia e eis que ouço a canção de Chico Buarque “Baioque” que diz assim: “... Quando eu canto, que se cuide quem não for meu irmão / O meu canto, punhalada, não conhece o perdão / Quando eu rio / Quando eu rio, rio seco como é seco o sertão / Meu sorriso é uma fenda escavada no chão / Quando eu choro / Quando eu choro é uma enchente surpreendendo o verão / É o inverno, de repente, inundando o sertão / Quando eu amo / Quando eu amo, eu devoro todo meu coração / Eu odeio, eu adoro, numa mesma oração, quando eu canto / Mamy, não quero seguir definhando sol a sol / Me leva daqui, eu quero partir / equebrando rock'n roll / Nem quero saber como se dança o baião / Eu quero ligar, eu quero um lugar ..”. na voz de um homem que me seduziu desde a primeira audição.

Este homem se chama Edson Cordeiro. Na verdade, a primeira vez que vi e ouvi Edson Cordeiro foi numa aparição de doimingo à noite no programa Fantástico da Rede Globo, onde ele “duetava” com a também novata, e já idolo meu, Cassia Eller.Já no dia seguinte trazia pra casa seu primeiro trabalho. Esse clip do fantástico era do dueto que estava no Cd da canção dos Rolling stones “I can’t get no Satisfaction” que não deixava pedra sobre pedra literalmente.

Com uma voz que lembrava o canto de uma DIVA, Edson chegou forte e firme, disposto a ocupar seu lugar na MPB e foi arrastando uma grande quantidade de fãs cada vez que aparecia na grande midia.

O primeiro trabalho trouxe algumas arias de ópera, classicos do rock e da MPB servindo como um cartão de apresentação para a versatilidade vocal do cantor que, um dia, para sobreviver, cantou pelas ruas e avenidas de São Paulo logo que rompeu com a opressão que a fé (ele foi evangelhico) lhe impos por um periodo de sua vida.

Na verdade esse verdadeiro mix musical serviu mesmo para cacoalhar o Brasil e o cenário musical e deixou, sem duvida nenhuma, os anos 90 mais interessantes. Sabiamente Edson Cordeiro fecha o trabalho com uma belissima canção da dupla de compositores Sueli Costa e Abel Silva intitulada “Voz de Mulher”. Para os amantes da boa música popular, ficou claro a que veio este novo cantor e são nos versos mastigados da canção que diz “... Desde que nasci A voz da mulher / Me embala / Me alegra / Me faz chorar / Me arrepia os cabelos / Me faz dançar / Me cala ressentimentos / Me ensina a amar /Uma mulher cantando nas Antilhas / Uma voz de mulher / Nos rádios do Brasil /Minha mãe que cantava ..”. que Edson se tornou eterno aos nossos ouvidos.

Paulo Gonçalo dos Santos
Historiador / Pesquisador de MPB
paulogoncalo@uol.com.br

Andre L. M. Menezes
Revisão Afetiva


video

Um comentário:

Anônimo disse...

pustatesObrigada, Paulo por ter conhecimento e nos passar e satisfazer as nossas curiosidade. Como o Brasil e cruel e insensivel. Nos e que perdemos de poder um acesso facil de um brasileiro como EDSON CORDEIRO. Fala de sua voz , não tem predicado. Parabens e mais uma vez obrigada. Aurea-RJ´